Practica português

Quando nos tuteamos?

By 4 de mayo de 2017 No Comments

Prof: Ana Filipa Ferreira
Nível: todos

 O problema das formas de tratamento em Português Europeu

A questão das formas de tratamento em Português Europeu dá pano para mangas: o debate entre os falantes nativos mantém-se vivo. Teremos de aceitar que há perspectivas díspares e usos diferentes – que variam um pouco por região, de acordo com costumes familiares e ainda por gosto individual.

Em geral, as pessoas tratam-se por tu quando se conhecem bem, num ambiente de amizade e familiaridade. As crianças e jovens habitualmente tratam-se por tu; o mesmo é costume entre familiares da mesma geração ou quando alguém mais velho se dirige a uma criança ou jovem. Entre colegas de estudo da mesma idade é usual o tutear, desde que se é criança até aos estudos superiores.

TU?

Entre adultos que não são familiares é regular a utilização da forma de tratamento “você”. Por um lado, é um tratamento de cortesia – seria rude chegarmos a um estabelecimento e falarmos com um funcionário usando a forma “tu”, especialmente se não conhecemos essa pessoa, mesmo que tenhamos aproximadamente a mesma idade. Por outro lado, mantém-se um distanciamento que marca de forma clara os limites da relação que estabelecemos com aquela pessoa – “tu” reservamos para os amigos e a família, pessoas que nos conhecem mais intimamente.

As outras pessoas são “o senhor”, “a senhora” ou “você”. Algumas situações requerem que se adicione o título académico do interlocutor, sendo os mais frequentes: “Senhor(a) Doutor(a)” para o médico; “Senhor(a) Professor(a)” ou “Professor(a)”, especialmente na universidade; no ensino escolar a forma comum é “stôr(a)” (que vem de “senhor doutor”).

No entanto, algumas pessoas ofendem-se quando o vocativo “você” é expresso, apoiando-se num velho adágio “Você é estrebaria e é lá que você se cria.” Tal como há quem não goste de cor-de-laranja ou de roxo, também o uso do vocativo “você” é uma questão de gosto.

(Você)

O problema que se apresenta é fácil de resolver: tratemo-nos por “você” omitindo o vocativo do pronome.
Explícito pode causar fricção, mas não ofenderá se estiver omisso.

Podemos conversar com alguém utilizando a forma de tratamento “você” (que se conjuga como a 3ª pessoa do singular) sem chegar a dizer “você”. Ao interpelarmos um desconhecido, de vez de “Você podia dizer-me as horas?”, digamos “Podia dizer-me as horas?”. Se for um conhecido, usemos o seu nome: “Maria, tem horas que me diga?”, “Bom dia, D. Antónia, como está?” ou “Trazia-me um café, Joaquim, se faz favor.”

Print Friendly, PDF & Email

Este sitio web utiliza cookies para que tengas la mejor experiencia de usuario. Si continúas navegando entendemos que aceptas nuestra política de cookies.
Más información sobre las cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies
A %d blogueros les gusta esto: