Practica português

As Armas de Ceuta

By 4 de mayo de 2017 No Comments

Prof: Nuno Ferreira

Para um turista português, ou para qualquer viajante com algum conhecimento dos símbolos nacionais portugueses, a bandeira de Ceuta poderá causar uma boa medida de perplexidade e espanto.

Na verdade, ver-se-á na bandeira nada mais nada menos que as armas de Portugal sobre o branco e preto da cidade de Lisboa. Longe de ser uma coincidência bizarra, este facto tem uma explicação histórica que remonta ao início do século XV, altura em que a cidade de Ceuta foi conquistada pelo reino de Portugal.

Bandera de Portugal

Antes de se aventurar por mares nunca dantes navegados, Portugal procurou estabelecer o seu domínio marítimo com a captura de cidades portuárias no Norte de África. Algumas dessas expedições correram bem, nomeadamente aquela que partiu de Lisboa, com o respetivo estandarte, para conquistar Ceuta.

É por essa razão que as bandeiras das duas cidades são idênticas; difere apenas o brasão central, que no caso da cidade de Lisboa celebra a trasladação dos restos mortais de São Vicente, velados por dois corvos, para a capital portuguesa.

Outras expedições ao Norte de África, no entanto, correram mal, como aquela que viu o Infante D. Fernando, irmão do rei D. Duarte, ser capturado em Fez. Como preço da libertação de D. Fernando foi exigido a D. Duarte que abandonasse Ceuta; o resgate não foi pago, e o Infante foi enforcado nas muralhas da cidade.

Assim se vê a importância estratégica e simbólica que Ceuta teve para Portugal, e daí também lhe ter sido concedido o direito de usar as armas do reino na sua bandeira. O brasão pouco difere dos das bandeiras portuguesas da época, e as diferenças (a coroa e a posição dos castelos) têm simplesmente a ver com convenções heráldicas que denotam o estatuto de Ceuta relativamente à metrópole.

Bandera de Ceuta

Ceuta permaneceria sob domínio português até ao final da União Ibérica, em 1640. Mesmo durante a união das coroas ibéricas era Portugal que administrava os territórios do seu império, incluindo Ceuta. Quando em 1640 é proclamada a restauração da independência todos os territórios ultramarinos portugueses seguiram o apelo. Todos exceto um: Ceuta.

Print Friendly, PDF & Email

Este sitio web utiliza cookies para que tengas la mejor experiencia de usuario. Si continúas navegando entendemos que aceptas nuestra política de cookies.
Más información sobre las cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies