Practica português

A traçoeira língua portuguesa: errar é humano e fácil

By 23 de octubre de 2017 No Comments

A traçoeira língua portuguesa: errar é humano e fácil

 

Texto de Carolina Reis

Infografia Carlos Esteves

A língua portuguesa é um terreno fértil para erros ortográficos. São esses os que mais se notam, mas não são 
os únicos que os portugueses cometem com facilidade

Avia um tempo em que, concerteza, seria mais difícil encontrar erros ortográficos nos textos. Mas derepente, quase sem dar-mos por isso, vieram os corretores automáticos. Ha culpa também é do Acordo Ortográfico, que interviu na maneira como escrevemos e falamos.

Calma, caro leitor. Não perdemos a cabeça e deixámos de saber escrever. Temos perfeita noção de que o parágrafo anterior está cheio de erros ortográficos. Porém, é provável que algum leitor, em certo momento da vida, tenha cometido um deslize em qualquer destas palavras, a falar ou a escrever.

É mais comum do que se pensa. Os erros das primeiras frases são alguns dos mais comuns em Portugal (ver gráfico ao lado). Palavras que devíamos ter aprendido a escrever corretamente durante a escola primária transformam-se em quebra-cabeças da língua portuguesa. “Nas aulas de correção linguística que dou, a maioria dos grande erros que me chegam às mãos tem a ver com o não domínio básico do português. A nível da sintaxe básica, para não falar da componente linguística e gramatical”, explica Lúcia Vaz Pedro, professora e formadora de língua portuguesa. Desde que o Acordo Ortográfico entrou em vigor, este passou a ser uma desculpa apetecível para quem se engana a escrever ou falar. E há erros um pouco para todos os gostos. Os ortográficos são os que dão mais nas vistas, mas há quem tenha dificuldade em fazer a concordância, a pronominalização, quem separe o sujeito e o predicado com vírgulas…

E há outros erros que surgem até do próprio sistema linguístico, por exemplo, devido à semelhança entre o ‘c’ e ‘s’. “São elementos que têm o mesmo valor fonético. São erros compreensíveis e têm de ser combatidos através da gramática. O aluno tem de conhecer os elementos que fazem sentido. Ao conhecer essas raízes, começa a dar menos erros”, explica Luís Ramos, professor e membro da Associação de Professores de Português.

Nas aulas de Luís Ramos são comuns os erros na terminação da terceira pessoa do plural dos verbos, em que a expressão ‘am’ é substituída por ‘ão’; a troca de consoantes, escrevendo-se ‘promenor’ em vez de ‘pormenor’; a queda de vogais, em que ‘interessado’ se transforma em ‘intressado’… Muitos destes erros são baseados na parofonia (alteração de voz) e na homofonia (semelhança de sons e pronúncias). São os casos de ‘cria’ (queria), ‘dorante’ (durante), ‘logar’ (lugar), ‘perguntoulhes’ (perguntou-lhes), ‘pessoua’ (pessoa), ‘audiçõens’ (audições), ‘fazes’ (fases), ‘éra’ (era), ‘gitarra’ (guitarra), ‘nu’ (no), ‘houra’ (hora), ‘nein’ (nem), ‘subio’ (subiu), ‘cócigas’ (cócegas)…

Entre os erros mais frequentes na oralidade há um bastante comum e fácil de identificar: confundir a segunda pessoa do singular com a segunda pessoa do plural. São os casos de ‘fizestes’, ‘comestes’, ‘fostes’… O mau domínio do português vê-se também na pontuação. Uma vírgula parece um elemento simples, mas não é. “Os portugueses dominam mal a língua, no geral. Não sabem acentuar nem pontuar. Uma vírgula tem muito que se lhe diga. E pode-se dizer muito apenas com uma vírgula”, continua Lúcia Vaz Pedro.

Já muito se escreveu sobre erros de ortografia e fonia. E às vezes as figuras públicas cometem erros, como aconteceu em junho com os DAMA, que escreveram “se sim tasse bem, se não tasse bem também” numa publicação no Facebook. O post correu a internet com frases de gozo, mas também motivou artigos sobre como escrever em português correto. É normalmente nessa altura que se recorre ao “Dicionário de Erros Frequentes da Língua”, de Manuel Monteiro, para relembrar que Hádes é um deus grego e não a conjugação do verbo haver; que se diz e escreve derivado de; que cerca é uma vedação e que acerca é um advérbio; e que um concelho é um distrito administrativo…

QUEM ERRA MAIS

No campeonato do erro, não são apenas os falantes de língua portuguesa que têm problemas. Os idiomas não são comparáveis, mas não se pode dizer que os portugueses escrevam pior do que os britânicos. O que se pode afirmar é que, por exemplo, no Reino Unido há probabilidade de enganos. O risco de errar é maior, porque a língua é menos transparente. “Há línguas mais transparentes e outras mais opacas. Já o catalão é uma língua mais transparente, porque há menos dupla interpretação”, explica Luís Ramos.

Mas, afinal, qual é a gravidade de um erro? Qualquer um é motivo de vergonha para enterrar a cabeça na areia? “Não há ninguém que escreva ou fale sem erros”, afirma o professor de português. Depende sempre da posição de quem o diz. Se for um político a discursar durante uma sessão na Assembleia da República, há menos desculpas, já que a exigência é maior. Porém, há sempre um rótulo que fica. E os erros ortográficos rotulam mais.

“Há um discurso por aí que valoriza demasiado os erros ortográficos, quando há erros mais graves, como os sintéticos, os semânticos, a utilização de expressões erradas, erros de composição, de discurso, de construção textual. São esses os mais difíceis de corrigir”, sublinha Luís Ramos. Não sendo uma língua muito opaca, escrever em bom português requer um crescendo grau de complexidade.

In Expresso 

Print Friendly, PDF & Email

Este sitio web utiliza cookies para que tengas la mejor experiencia de usuario. Si continúas navegando entendemos que aceptas nuestra política de cookies.
Más información sobre las cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies